(85) 3227-9662 - Mecânica Especializada | ZF AutoCar

O que é um Scanner automotivo?

O que é um Scanner automotivo?

Este dispositivo é um leitor de conexão OBD II que realiza a leitura dos problemas apontados por um veículo, diagnosticando o tipo de problema. Um scanner mais simples é conectado e resulta um código que indica qual o problema.

Já os equipamentos mais robustos indicam, além do diagnóstico, caminhos e possibilidades de controles. O que ocorre é que, em carros atuais, o controle eletrônico de seus equipamentos pode ser realizado através de conexões deste tipo. Os testes do sistema ABS, por exemplo, podem ser realizados diretamente através de um scanner automotivo.

Scanner automotivo serve para basicamente o mesmo fim que um leitor de códigos, mas em um nível de complexidade mais avançado. Além de informar a codificação do erro, ele faz um diagnóstico baseado em todos os dados emitidos pelo carro.

Além disso, ele reúne uma base de dados a respeito dos problemas anteriormente ocorridos, e – dependendo de quão avançado for o aparelho – realiza testes eletrônicos diretamente com a conexão no painel.

 

Isso significa que o scanner automotivo não realiza apenas a leitura de erros. Ele também realiza testes e diagnósticos próprios – o que faz dele uma ferramenta muito mais complexa.

Você sabe escolher o óleo para o seu carro?

Você sabe escolher o óleo para o seu carro?

Óleo mineral, semissintético ou sintético? Qual deles é o mais apropriado para o motor do veículo?

1- Óleo sintético é melhor que o mineral?

O óleo sintético é mais elaborado e com isso promete manter a viscosidade constante, independentemente da temperatura de funcionamento do motor. Com essa característica a tendência é não carbonizar o motor. A desvantagem é o preço, mais elevado. Para utilizar esse tipo de óleo é bom estimar o custo/benefício. Se você utiliza bastante o carro e roda muitos quilômetros, o óleo sintético compensa, pois a troca é mais estendida.

Já o óleo de base mineral é o mais comum do mercado. Atende perfeitamente a maioria dos motores, porém a troca se dá com menor quilometragem. Se não ficar atento ao prazo de troca pode-se desencadear uma carbonização que vai trazer problemas mais a frente.

2- O óleo mineral tem que ser trocado a cada seis meses independente da quilometragem. E o óleo sintético também tem prazo de validade dentro do motor?

O óleo do tipo mineral tem o uso por quilometragem recomendado até cinco mil quilômetros e o sintético, conforme a marca e especificação entre 15 e 20 mil quilômetros. Porém, uma vez adicionado ao motor, é preciso ficar atento ao prazo máximo para substituição, que em ambos os casos é de no máximo seis meses.

3. Colocar um óleo mais grosso aumenta o consumo em combustível?

O óleo com viscosidade mais elevada tende a lubrificar melhor. Entretanto, o motor, principalmente com baixa quilometragem, ainda não possui folgas e um óleo mais denso afetaria sim o seu consumo. Um óleo com essa característica é mais recomendado para motores com alta quilometragem, cujo velocímetro já ultrapassou os 100 mil km. Nesse caso, o motor já tem folgas maiores, e o óleo mais grosso viria a compensar a lubrificação.

Vale relembrar que o óleo indicado para cada motor leva em consideração uma série de fatores, como, por exemplo, a rotação submetida. Um motor de alto desempenho que recebe óleo mais grosso que o especificado vai comprometer a bomba de óleo. Isso provoca uma sensível diminuição da vida útil da bomba, pois vai diminuir a pressão e a vazão. No final, isso acabará por provocar a oxidação do óleo e também o entupimento dos canais de lubrificação, o que trará danos gravíssimos aos componentes móveis, levando a fundir o motor por deficiência de lubrificação.

4. O que faz formar borra no motor, o óleo normal ou o sintético?

Não faz diferença se o óleo é convencional ou sintético. Lubrificantes por si só não criam borra no motor. É necessário fazer algo com ele. Uma das reações mais comuns que contribuem para isso é ignorar as recomendações do produto, como por exemplo, o prolongamento do intervalo de drenagem de óleo além da recomendação do fabricante. Essa é uma das principais causas para a formação de borra. Na composição do lubrificante estão os aditivos, que com o tempo e a quilometragem esgotam sua capacidade de ação e não mais evitam esse processo. Se o motor tem um problema mecânico, como um vazamento do líquido arrefecedor interno ou um termostato que não permite que atinja temperaturas normais de funcionamento, isso também poderá causar a formação de borra de óleo.

5. Quais são as funções do filtro de óleo lubrificante, filtro de ar e filtro de combustível? Quando devem ser trocados?

O filtro de óleo deve ser substituído sempre que fizer a troca do óleo. Alguns motoristas têm o péssimo hábito de colocar um filtro novo apenas a cada duas trocas de óleo, uma prática nada recomendada. Sua função é separar os resíduos que contaminam o óleo, como por exemplo, as partículas metálicas resultantes do atrito das peças.

O filtro de combustível precisa ser trocado entre 15 e 20 mil quilômetros. Sua função é livrar o combustível de impurezas, como por exemplo, a ferrugem, os resíduos dos tanques e até mesmo irregularidades do próprio combustível.

Já o filtro de ar deve ser trocado a cada 10 mil quilômetros. Se trafegar bastante por estradas de terra o ideal é substituir em períodos menores. Sua função é filtrar o ar a ser sugado pelo motor. Nessa filtragem são separadas e eliminadas todas as partículas existentes no ar.

Qual a melhor gasolina para o seu carro e bolso?

Qual a melhor gasolina para o seu carro e bolso?

No Brasil é muito comum levar em consideração o preço na hora de escolher o combustível para abastecer o carro. Por isso é importante saber as vantagens de utilizar um combustível comum, aditivado ou premium. Afinal, optar por cada um deles é uma escolha que interfere no bolso do motorista e no desempenho do veículo.

Gasolina

Comum: A gasolina comum é o combustível acrescido de 25% de etanol anidro, sem aditivos. Com o passar do tempo, pode ser que resíduos da combustão fiquem presos nas válvulas de admissão do motor, comprometendo a mistura de ar e combustível.

Aditivada: Também conta com os 25% de etanol anidro, mas conta com aditivos químicos que auxiliam na limpeza do motor. Em geral, essas fórmulas possuem detergentes e dispersantes que fazem com que a sujeira seja desprendida e quebrada para, em seguida, ser eliminada pelo sistema de combustão.

Premium: Possui semelhanças com a aditivada: os mesmos 25% de etanol anidro e aditivos. A diferença está na relação de octanagem (medida de resistência da gasolina em relação à queima espontânea fora do tempo de ignição): 91 octanas (ou IAD – índice antidetonante), enquanto que a comum e a aditivada possuem 87 octanas. Portanto os motores podem trabalhar com uma taxa de compressão maior, ganhando em eficiência. Porém, vale lembrar, essa eficiência só é significativa em automóveis mais potentes.

Etanol

Comum: Deve cumprir os requisitos da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). Entre essas especificações, consta que ele precisa ser límpido, transparente, isento de impureza, com graduações alcoólica entre 95,1% e 96%, ter PH neutro e uma tolerância extremamente pequena a minerais e metais, como ferro, sódio e cobre.

Aditivado: Tem o mesmo princípio da gasolina aditivada: é o combustível comum com adições de substâncias que auxiliam na limpeza do motor. O diferencial do álcool aditivado comercializado no Brasil é a tecnologia FMT (Friction Modification Technology), que otimiza a lubricidade do combustível, protegendo e reduzindo a fricção entre as partes móveis do motor que entram em contato com o combustível

Como funciona a suspensão e cada componente dela.

Como funciona a suspensão e cada componente dela.

A suspensão é o sistema responsável pela estabilidade do veículo. Seu objetivo é absorver, por meio dos seus componentes, todas as irregularidades do solo. Também é o encarregado de manter as quatro rodas no chão e auxiliar no desempenho do automóvel.

Veja as função das principais peças da suspensão e como preservá-las. Por toda a importância e a funcionalidade do sistema de suspensão, é altamente recomendável que sejam feitas as manutenções preventivas de acordo com a indicação do fabricante. É importante também fazer visitas ao mecânico sempre que surgirem estranhos ruídos. E sempre que houver alguma mudança deve ser feito o alinhamento.

Amortecedor

O amortecedor tem sua funcionalidade interligada à mola. É o componente essencial ao sistema de suspensão. Ele atua no sentido de amenizar as irregularidades do solo em conjunto com a mola. Se o seu carro estiver sem estabilidade e com ruídos vindos dessa parte do carro, os amortecedores podem estar gastos. Isso provoca o desgaste prematuro dos outros componentes da suspensão e dos pneus, além de prejudicar a segurança do carro.

Mola

Juntamente ao amortecedor, compõe a principal função de amortecimento dos problemas da pista. Essa mola pode ser do tipo feixe de molas ou helicoidal.  Por ser muito flexível, a mola é o componente mais eficiente para filtrar as imperfeições do asfalto. Se o carro apresentar falta de estabilidade e barulho pela suspensão, o problema pode ser o gasto excessivo da mola.

Braço oscilante

Tem a função de servir como apoio para a coluna de suspensão, que é articulável, e o chassi. Atenção à dirigibilidade comprometida acompanhada do barulho na suspensão. As buchas podem estar gastas ou danificadas.

Pivô de suspensão

Auxilia a coluna da suspensão no seu movimento de sobe e desce permitindo, assim, o ângulo de oscilação do braço. O maior indicativo de que estão gastos são ruídos.

Barra estabilizadora

Promove a ligação entre uma coluna de suspensão e a outra. Esse componente é o responsável pela estabilidade do veículo em altas velocidades, em retas e em curvas. Ela é presa à carroceria por buchas de ligação e às colunas por meio de bieletas. O sintoma de falha na funcionalidade desse componente é a falta de estabilidade e o barulho na suspensão

Os tipos de pneus.

Os tipos de pneus.

O pneu é considerado um item de segurança do veículo. Qualquer descuido pode trazer riscos, defeitos mecânicos e até multas. Por isso, os cuidados devem começar já na leitura do manual do proprietário. É na indicação do fabricante que constam a pressão correta, o controle periódico do alinhamento e do balanceamento e os tipos mais adequados.

Os tipos a que se refere são os de uso on-road (predominante em asfalto), off-road (de utilização em estradas de terra e lama) e misto (ideal para os dois solos). As diferenças começam já na parte visual. Os pneus off contam com uma banda de rodagem mais espaçada, sulcos mais largos e carcaça reforçada. Já os do tipo on possuem sulcos menores que aumentam a área de contato com o solo.

Os pneus ainda contam com uma categoria “ecologicamente correta”. Os chamados pneus verdes são fabricados de maneira diferente e com outros tipos de materiais que os deixam mais leves, menos ruidosos e com menor resistência ao rolamento, o que possibilita a redução no consumo de combustível. Geralmente são de uso-misto.

Vídeo mostra diferença entre o motor a gasolina e o motor a diesel.

A maioria das pessoas que possuem carro, não tem ideia de como o motor funciona, e nem o que leva ele a gerar energia para fazer o carro andar, um dos principais componentes do motor que ajuda nessa tarefa é o pistão.

O pistão é capaz de gerar energia com pequenas explosões dentro do motor do carro, tanto nos carros a diesel como a gasolina, no vídeo a cima você pode observar as principais diferenças de um para o outro.

Dicas para a manutenção do carro a Diesel.

Dicas para a manutenção do carro a Diesel.

O carro a diesel é a melhor opção para  quem quer trocar de carro e economizar um pouco mais no combustível, apesar de ser normalmente mais caro que os carros a gasolina eles possuem custo benefício bem mais tentadores. é importante que você tenha em mente que, para garantir economia de combustível e um ótimo desempenho do veículo, é necessário ter um cuidado especial com a manutenção de carros a diesel.

Um dos cuidados que é importante ter ao possuir um carro a diesel é o cuidado com o excesso de velocidade,  o que é muito ruim para o veículo, porque reduz a eficiência e durabilidade do sistema de freio, gerando o desgaste de pneus e transmissão. Outro cuidado que se deve ter é quanto a troca de bateria, pois elas têm chumbo na composição e são capazes de prejudicar gravemente o meio ambiente, por isso é importante levar para a reciclagem. Andar de marcha lenta também pode não ser benéfico a um carro a diesel, pois por exigir mais força do motor acaba diminuindo a sua vida útil.

Outra dica é manter os pneus sempre calibrado. Para se ter uma ideia, um pneu vazio aumenta o consumo de diesel e danifica a banda de rodagem com mais facilidade. Quando os pneus estão muito cheios, além de aumentar o desgaste do centro da banda de rodagem, há riscos de cortes nessas peças.

E sempre que o dia da revisão chegar não deixar passar e trazer para uma oficina de confiança a ZF auto Car, tem o orgulho de ser conhecida no mercado como referência no trato de carros a diesel, sempre priorizando um trabalho justo e seguro.

 

 

6 itens para você checar no seu carro regulamente.

6 itens para você checar no seu carro regulamente.

1- Óleo
Verificar o óleo do motor do automóvel é uma das atividades de manutenção mais simples e mais importantes. O melhor momento para verificar o óleo é quando o motor está quente. Para isso, basta localizar a vareta, retirá-la e verificar o nível, a cor do óleo deve ser clara e fluida, não preta e gelatinosa.

2- Fluido de transmissão
Fluido de transmissão é o que mantém as engrenagens do seu carro funcionando. Verificar este item é tão simples quanto verificar o óleo, basta procurar por uma vareta chamada transmissão e repetir o mesmo processo feito com o óleo. Nesse caso, você deve procurar um fluido de transmissão limpo e sem flocos de metal. Se você encontrar pedaços ou flocos de metal ligado à vareta, leve o seu carro ao mecânico imediatamente.

3-Bateria
Uma maneira fácil de verificar a carga da bateria é utilizar um voltímetro através dos polos. Você também pode verificar se os terminais da bateria estão limpos e sem corrosão.

4- Água do radiador
O radiador mantém o motor frio, por isso é importante garantir que ele tenha água. Então abra a tampa e verifique se tem água no reservatório. Se não tiver o suficiente, adicione água. Se você estiver em um local que a temperatura é muito baixa, talvez seja necessária a adição de anti?congelante.

5-Luzes
Esta é uma tarefa simples, mas útil, especialmente se você estiver viajando à noite. É importante verificar todas as funções de iluminação como faróis, lanternas, luzes de freio, luz de ré e setas.

6-Pneus
Este é outro procedimento simples e importante. Seus pneus são a única ligação que você tem com a estrada e, por este motivo, você deverá tratá-los muito bem. Primeiramente, pegue um medidor de pressão e verifique a pressão interna de cada pneu e compare com a medição indicada pela montadora. Além disso, verifique o desgaste de cada um dos pneus, confira se não estão carecas ou se um lado não está mais gasto do que o outro, pois isso pode significar falta de alinhamento.

 

Um carro bem cuidado, carro valorizado.

Um carro bem cuidado, carro valorizado.

Há sempre a dúvida de como cuidar do carro para que ele não acumule problemas e defeitos, que na hora da troca vão dificultar a venda e acabar deixando o seu carro com um valor abaixo do que ele realmente valeria. As dicas são simples e podem prevenir a desvalorização e até acidentes graves.

-Mantenha o carro limpo

-Verifique o óleo do motor

-Fique atenta à pressão dos pneus

-Cuide da lataria

-Use peças originais na reposição

-Faça alinhamento e balanceamento

-Não mantenha o pé sobre a embreagem

-Utilize o giro do motor em níveis adequados

-Faça a manutenção dos componentes do motor

O mais importante, tenha uma oficina mecânica de confiança, onde se cobre preços justos, não faça reparo desnecessários e a que cima de tudo, que seja competente e eficiente naquilo desempenha.

Porque trocar o óleo é importante para o carro?

Porque trocar o óleo é importante para o carro?

O óleo é como se fosse o sangue do carro, ele percorre todo o motor fazendo esse funcionar, se o óleo passa do prazo de validade para a troca acaba não exercendo a função dele de maneira benéfica ao carro, pois quanto mais ele queima, mais impurezas vai deixando no motor.
Por isso a importância de seguir a risca o manual do carro que explica da melhor forma, qual o momento certo para a troca do óleo, lembrando que é necessário fazer a troca total e nunca apenas parcial, e fazer juntamente a troca do filtro de óleo também, porque ele acumula muitas sujidades.
Seguindo esses passos, lendo o manual e comprando um óleo de qualidade, você previne futuros problemas com o motor e aumenta a vida útil do carro.